És tu que decides se há algo que deves melhorar

És tu que decides se há algo que deves melhorar

Lembro-me como se fosse hoje, num dos meus trabalhos me dizerem que eu sorria pouco. Quando ouvi isso, estranhei porque sorrir sempre foi uma das minhas características mais evidentes e não me parecia que estava a sorrir de menos. Mas mesmo assim, pensei que tinha de melhorar, então lá fazia um esforço para sorrir mais. Anos mais tarde, num outro contexto profissional disseram-me que sorria demais, que tinha de fazer um sorriso mais intermédio e não tão rasgado como fazia. Lá me esforcei para o sorriso certo caber nas concepções das pessoas que me estavam a orientar.

Lembro-me de numa relação ouvir esta frase: “Tu nunca vais ficar satisfeita. Se não estivesses chateada com isso, seria outra coisa qualquer. És uma eterna insatisfeita”. Convenci-me de que a pessoa tinha razão e comecei a pensar que nunca iria ser feliz numa relação, porque tinha aquele defeito. Anos mais tarde, noutra relação oiço a pessoa a dizer “Para ti está sempre tudo bem. Parece que não vês os problemas a aparecer. Não podes ser assim.”

Tenho mais mil e um exemplos de contradições deste género. E isto fez-me pensar que na verdade, com os outros, não há mesmo como acertar. Mais tarde chegou o dia em que disse para mim mesma: “Hey, hey, hey!!! Pára tudo!!! Eu sou, mas é, um espetáculo de ser humano!!!!”.

Comecei a ficar saturada de ter pessoas, mais ou menos próximas, a dizerem-me como é que eu deveria ser. Comecei a questionar-me sobre como era possível que uma pessoa tão fixe como eu estava frequentemente a ser alvo de criticas. Eu sei que parece pouco humilde, e é mesmo. Mas eu sou mesmo muito fixe! Tenho defeitos, como todas as pessoas. Mas feitas as contas, tenho um saldo hiper positivo. Mas para as outras pessoas, há quase sempre aquela pequena coisinha que tu ainda devias mudar e aperfeiçoar.

Sejas como fores vais ser alvo de críticas. Pelo simples motivo de que as outras pessoas têm as suas próprias visões do mundo, as suas próprias crenças e concepções e vão projetar tudo isso em ti. Elas vão querer que tu sejas aquilo que elas não têm a capacidade de ser ou então que até precisavam de ser um pouco mais. Elas querem que tu mudes para resolveres um problema que é delas. E isso, nunca vai correr bem.

Isso quer dizer que não precisas de mudar? Isso quer dizer que não precisas de evoluir e transformar-te? E ainda, isso quer dizer que opinião dos outros não te interessa? Não! Tu precisas de mudar, evoluir e transformar-te naquilo que tu achas que deves mudar, evoluir e transformar. Não são os outros que sabem o que é importante para ti, mas sim tu. Por isso, sim, a opinião dos outros pode e deve ser tida em consideração quando tu queres saber a opinião deles e a pedes. Hoje em dia, quando alguém decide sair do seu caminho para aleatoriamente vir criticar-me, simplesmente olho para ela e digo: “Ok” e depois continuo a ver a Teoria do Big Bang 🙂

Ninguém se vira aleatoriamente para um pôr do sol e diz: “Nhaaaaa, devias ter sido diferente oh pôr do sol!”. As pessoas têm uma preferência do tipo de pôr do sol que gostariam de ver e depois simplesmente observam, contemplam e admiram o pôr do sol que têm. E às vezes ainda são surpreendidas porque o pôr do sol que tiveram foi mil vezes mais surpreendente do que o pôr do sol que queriam ver.

Por isso, lembra-te que já és uma obra de arte. Lembra-te que és um fenómeno da natureza, tal como um pôr do sol. Lembra-te que és incrível. Lembra-te de tudo o que já passaste para te teres transformado na pessoa fantástica que és. E se quiseres mudar alguma coisa, sugiro que seja nos teus termos. Os outros podem encontrar outro alvo para as suas críticas e talvez, com sorte, acertem no alvo certo desta vez … Eles mesmos.

Boa terça-feira!
Jo ♥