Sรณ preciso de um sinal

Sรณ preciso de um sinal

Jรก te aconteceu, dizeres em voz alta ou num sussurro secreto a frase: “๐‘ท๐’๐’“ ๐’‡๐’‚๐’—๐’๐’“, ๐’†๐’– ๐’”รณ ๐’‘๐’“๐’†๐’„๐’Š๐’”๐’ ๐’…๐’† ๐’–๐’Ž ๐’”๐’Š๐’๐’‚๐’, ๐’‘๐’‚๐’“๐’‚ ๐’”๐’‚๐’ƒ๐’†๐’“ ๐’’๐’–๐’‚๐’ รฉ ๐’‚ ๐’“๐’†๐’”๐’‘๐’๐’”๐’•๐’‚ ๐’„๐’†๐’“๐’•๐’‚ ๐’‘๐’‚๐’“๐’‚ ๐’Ž๐’Š๐’Ž ๐’‚๐’ˆ๐’๐’“๐’‚.”?

A mim jรก me aconteceu vรกrias vezes.

ร‰ uma abertura que criamos dentro de nรณs para que, finalmente a resposta que precisamos, possa entrar e cumprir o seu propรณsito nas nossas vidas.

Lembro-me da primeira vez que pedi por um sinal. Tinha 17 anos e nรฃo sabia se devia terminar a relaรงรฃo que tinha com o meu namoradinho da altura. Sentia medo, incerteza, culpa, confusรฃo. Foi a primeira vez na vida que dei por mim a conseguir/precisar de ficar longos minutos parada a olhar para o nada ร  espera de encontrar a tal resposta certa.

Desde essa altura jรก tive dezenas de momentos desses novamente. Felizmente, nem todos sobre namorados! ๐Ÿคฃ

Mas depois deste tempo todo. Depois de todas as respostas que acabei por encontrar e todas as decisรตes que, felizmente, acabei por tomar, houve duas coisas que ficaram claras:

1) A primeira coisa que ficou clara รฉ que parar รฉ dos melhores antรญdotos que encontrei atรฉ hoje para encontrar respostas difรญceis. Parar. Respirar. Estar na companhia do vazio. Em silรชncio. Buscar pela resposta contemplando-a no vรกcuo.

2) A segunda coisa que ficou clara รฉ que a resposta chega sempre. O sinal chega sempre. Nรฃo chega como um sinal. Mas chega como um sintoma. Uma sensaรงรฃo interior. Um burburinho subtil que aos poucos vai ganhando forma e intensidade. O suficiente para talvez se tornar numa frase. E depois de ouvir a frase, percebo de todas as vezes que, na verdade, eu sempre soube qual era a resposta. Nรฃo รฉ a resposta que tem de aparecer. Ela esteve sempre lรก. Eu รฉ que precisava de ouvir.

Hoje em dia, sempre que me encontro num estado de incerteza, num cรก e lรก, num intervalo entre caminhos, repito com toda a confianรงa a mesma coisa. E atรฉ hoje nunca me enganei. Digo essa frase a mim mesma, e hoje digo-te a ti.

๐“๐ฎ ๐’๐š๐›๐ž๐ฌ.

Mesmo perante a incerteza, disto nรฃo tenho qualquer dรบvida. A resposta jรก existe, de forma completamente evidente, mas ainda inconsciente, algures dentro de ti.

Ah e jรก agora … ao lado do “Tu sabes” costuma estar tambรฉm o “Tu sabes que tu sabes”. E, claro, eu sei que tu sabes que eu sei que tu sabes e … por aรญ fora ๐Ÿ˜‚

Boa semana!
Jo ๐Ÿ’™