“Já devias…”

“Já devias…”

90% das vezes em que me estou a sentir mal comigo mesma, é porque dentro de mim está uma frase que começa com:
“𝒋á 𝒅𝒆𝒗𝒊𝒂𝒔 …”

(90% é um valor inventado agora mesmo que reflete que a maior parte dos meus pensamentos chatos começam assim, não é um estudo científico aqui da minha pessoa, ok? 😆)

Tenho observado isso e é tão obvio e repetitivo.

E oiço-o muitas vezes da boca dos meus clientes e alunos.

Mas o mais surpreendente é que na maior parte das vezes, esse “𝒋á 𝒅𝒆𝒗𝒊𝒂𝒔” é mentira … porque “𝑵ã𝒐 𝒅𝒆𝒗𝒊𝒂𝒔 𝒏𝒂𝒅𝒂!” seria o pensamento correto.

Penso, “𝒋á 𝒅𝒆𝒗𝒊𝒂𝒔”, quando estou a fazer algo pela primeira vez e não sai logo da maneira como eu gostaria.
Pois, o pensamento correto seria: “𝒏ã𝒐 𝒅𝒆𝒗𝒊𝒂𝒔 𝒏𝒂𝒅𝒂 𝒑𝒐𝒓𝒒𝒖𝒆 é 𝒂 𝒑𝒓𝒊𝒎𝒆𝒊𝒓𝒂 𝒗𝒆𝒛 𝒒𝒖𝒆 𝒆𝒔𝒕á𝒔 𝒂 𝒇𝒂𝒛𝒆𝒓 𝒆𝒔𝒕𝒂 𝒄𝒆𝒏𝒂, 𝒔ê 𝒉𝒖𝒎𝒊𝒍𝒅𝒆”.

Penso, “𝒋á 𝒅𝒆𝒗𝒊𝒂𝒔”, quando há coisas que eu acho que tenho de fazer de uma certa maneira e nem paro para pensar se essa é a maneira certa para mim de fazer as coisas.
Pois, o pensamento correto seria: “𝒏ã𝒐 𝒅𝒆𝒗𝒊𝒂𝒔 𝒏𝒂𝒅𝒂 𝒑𝒐𝒓𝒒𝒖𝒆 𝒉á 𝒎𝒂𝒊𝒔 𝒎𝒊𝒍 𝒎𝒂𝒏𝒆𝒊𝒓𝒂 𝒅𝒆 𝒇𝒂𝒛𝒆𝒓 𝒊𝒔𝒔𝒐 𝒆 𝒑𝒐𝒅𝒆𝒔 𝒅𝒆𝒔𝒄𝒐𝒃𝒓𝒊𝒓 𝒂 𝒎𝒂𝒏𝒆𝒊𝒓𝒂 𝒄𝒆𝒓𝒕𝒂 𝒑𝒂𝒓𝒂 𝒕𝒊”.

Penso, “𝒋á 𝒅𝒆𝒗𝒊𝒂𝒔”, quando os meus dias já estão tão cheios que não cabe mais nada e eu acho que a solução é encher o barco até afundar.
Pois, o pensamento correto seria: “𝒏ã𝒐 𝒅𝒆𝒗𝒊𝒂𝒔 𝒏𝒂𝒅𝒂 𝒑𝒐𝒓𝒒𝒖𝒆 𝒏ã𝒐 é 𝒔𝒐𝒃𝒓𝒆 𝒕𝒓𝒂𝒃𝒂𝒍𝒉𝒂𝒓 𝒎𝒂𝒊𝒔, é 𝒔𝒐𝒃𝒓𝒆 𝒕𝒓𝒂𝒃𝒂𝒍𝒉𝒂𝒓 𝒎𝒆𝒍𝒉𝒐𝒓”.

E pronto, às vezes lá há um “𝒋á 𝒅𝒆𝒗𝒊𝒂𝒔” que está correto e passado pouco tempo estou a fazer isso. Porque há “𝒋á 𝒅𝒆𝒗𝒊𝒂𝒔” que têm de existir para a coisa andar para a frente.

O segredo é saber distingui-los e realmente questionares-te:
“𝑨 𝒔é𝒓𝒊𝒐? 𝑱á 𝒅𝒆𝒗𝒊𝒂𝒔 𝒎𝒆𝒔𝒎𝒐? 𝑫𝒆 𝒄𝒆𝒓𝒕𝒆𝒛𝒂? 𝑺𝒆 𝒏ã𝒐 𝒇𝒐𝒔𝒔𝒆𝒔 𝒕𝒖, 𝒎𝒂𝒔 𝒇𝒐𝒔𝒔𝒆 𝒐𝒖𝒕𝒓𝒂 𝒑𝒆𝒔𝒔𝒐𝒂 𝒒𝒖𝒂𝒍𝒒𝒖𝒆𝒓 𝒂𝒒𝒖𝒊 𝒏𝒆𝒔𝒕𝒂 𝒔𝒊𝒕𝒖𝒂çã𝒐, 𝒆𝒓𝒂 𝒊𝒔𝒔𝒐 𝒒𝒖𝒆 𝒍𝒉𝒆 𝒊𝒓𝒊𝒂𝒔 𝒅𝒊𝒛𝒆𝒓?”

Se a resposta for “Sim”, então já devias mesmo. Mexe-te e faz.

Se a resposta for “Não”, então sorri e relaxa. Porque, se não devias, continuares com esse pensamento irrealista, é só masoquismo.

Estás a ouvir (Joana)!

Bom dia!

Jo 💙