Arrogância ou Auto-confiança

Arrogância ou Auto-confiança

Há uns dias uma pessoa gentilmente me enviou uma mensagem a pedir para escrever sobre estratégias para aumentarmos a nossa autoconfiança.

Pensei muito nisso e percebi que não o poderia fazer.

Ao longo de 8 anos a trabalhar como coach já percebi que aquilo que me ajuda a aumentar a confiança a mim, faz outras pessoas sentirem-se pior e vice-versa.

O que posso falar, no entanto, é daquilo que nos lixa a autoconfiança toda, de forma macro. E isso, infelizmente, toca-nos a quase todos, porque é cultural.

Ficamos com a autoconfiança toda estraçalhadinha quando durante toda a nossa infância nos ensinam que ser humildes é que é bonito e que é feio mencionar as nossas qualidades. A nossa autoconfiança perde-se quando nos dizem que saber o quão espetacular somos é arrogância. Como não queremos ser “convencidos”, passamos a ser inseguros porque o que é “bonito” é evidenciares os teus defeitos e não os teus dons.

Ficamos com a nossa autoconfiança toda virada do avesso quando em casa, na escola e no trabalho, passamos mais tempo a fazer planos de ação para melhorar marginalmente aquilo em que não temos jeito, do que o tempo que passamos a tornar-os espetaculares naquilo em que já temos um jeito natural. O que interessa é melhorar aquilo em que és um zero à esquerda e assim talvez um dia, com muito esforço e com consequências graves para a tua confiança, te tornes razoável nisso. Agora os teus dons naturais, que podias ter estimulado, esses ficam na gaveta junto com a tua autoconfiança.

E, por fim, a nossa autoconfiança perde a última batalha quando à nossa volta encontramos sempre alguém que está preparado para nos dizer o que ainda nos falta, em vez de termos pessoas que celebram connosco o caminho que já fizemos. É muito raro sermos aceites pelo que somos e celebrados pelo o que temos de fantástico. E a guerra finalmente acaba quando nós próprios nos tornamos nessas pessoas. Quando somos nós que nos dizemos incessantemente: “Tu não és suficiente”. Isto é simplesmente avassalador.

Os meus clientes introvertidos acham que deviam ser mais extrovertidos. Os extrovertidos acham que deviam aprender a estar sozinhos. Os meus clientes emocionais, acham que deviam ser mais racionais. Os meus clientes racionais acham que deviam ser mais empáticos. Os meus clientes práticos acham que deviam ser mais simbólicos. Os meus clientes simbólicos acham que deviam ser mais pragmáticos. Poucos estão contentes com o que são. Podiam querer melhorar isto ou aquilo, claro. Mas não é isso que a sua linguagem diz. O que a sua linguagem diz é que são errados. Porque foi isso que lhes ensinaram.

Isto são, a meu ver, alguns pequenos exemplo daquilo que foi, aos poucos, encolhendo a nossa autoconfiança. Mas a boa notícia é que não a destruiu, só a diminuiu, confundiu, assustou. Ela ainda existe e está pronta a ser recuperada se decidirmos que vamos, cada um de nós, fazer o trabalho de contra-corrente.

E esse trabalho é diferente de pessoa para pessoa. Só tens de descobrir as estratégias que fazem com que a tua autoconfiança ganhe mais autoconfiança 😆

Escreve aqui em baixo nos comentários, pelo menos uma das coisas que te ajuda a ti a recuperar um pouquinho da tua autoconfiança. Pode ser que pelo caminho ajudes outra pessoa a melhorar a dela.

Eu vou já escrever o meu.
Até já!

Jo 💙