Amor ou Poder

Amor ou Poder

O oposto de Amor não é Ódio.
O oposto de Amor é Poder.

Este é um conceito que tenho vindo a estudar há algum tempo. Jung mencionou-o na sua obra. E ontem ao ler um novo livro de uma pós-junguiana lá estava. Quando a necessidade obsessiva de poder se manifesta, esse é o momento em que abdicamos do potencial de amar e ser amados.

Mais uma vez aqui vemos a presença dos opostos. Poder como elemento Yang e Amor como elemento Yin. E o desequilíbrio existe. Existe coletivamente na sociedade de que fazemos parte e existe dentro de cada um de nós.

E aqui não estou a falar de “poder pessoal” que também tem de existir para que haja paridade. Estou a falar daquele poder que só se sente seguro se houver disparidade, se houver alguém que é superior ao outro. Quando vivemos pelo princípio do poder desta maneira, a coisa mais importante é ganhar. Ficamos perfeitamente descansados se as situações onde nos encontramos forem win-loose. Desde que eu fique por cima, desde que eu não me vulnerabilize, desde que eu tenha aquilo que eu quero, desde que eu não me mostre despido das minhas armaduras, talvez conseguirei sobreviver.

Mas para conseguir conectar com outro ser humano em profundidade e criar realmente uma relação de intimidade eu vou ter de me deixar ser penetrado pela alma do outro. Eu vou ter de me deixar ser vista, inteira, luz e sombra, virtudes e horrores. Essa é a única forma de ser testemunha do Self de alguém. Vendo a sua totalidade.

A luta pelo lugar de cima. A luta pelo poder. A luta.
Vejo-a todos os dias por aqui, nas redes sociais, nas famílias, nas relações, dentro de nós. Abdicamos do amor em prol do poder. E no final olhamos à nossa volta e deparamo-nos com o pior cenário de todos … estamos a lutar sozinhos.

E quando não houver mais ninguém com quem lutar, só sobra uma pessoa. Tu. E nesse momento vais perceber … foi contigo mesmo que estiveste a lutar o tempo todo. Os outros que te queriam amar serviram apenas de reflexo para a luta que travavas internamente. Aí podes lutar contigo até à auto-destruição ou render-te.

E se te renderes. Se desistires da luta. Se abdicares do Poder sobre o outro, sobre ti, o Amor vai estar lá como sempre esteve, para te receber no seu colo infinito. Nesse momento vais poder finalmente descansar. Porque, sinceramente, a luta é mesmo cansativa.

Boa quinta-feira!
Jo 💙