Apaixono-me sempre pelo homem “errado”

Apaixono-me sempre pelo homem “errado”

“Porque é que só me sinto atraída/o por homens/mulheres que são completamente o oposto daquilo que eu quero para a minha vida?” É uma questão que surge muito nas sessões de coaching.

Pessoas que querem ter uma relação romântica com certo tipo de pessoas, mas quando essas pessoas surgem na sua vida, aquela chama simplesmente não acende. Mas depois, quando aparece o homem/mulher “errado/a”, exatamente com aquele perfil que já lhe causou muita dor no passado, puff … borboletas na barriga, sirenes ativadas, antenas no ar.

Claro que muitas vezes não há uma única, simples explicação para a forma como as coisas acontecem. A maior parte das vezes, os padrões que repetimos na nossa vida têm até vários botões de ativação diferentes, mas hoje vou partilhar contigo uma reflexão possível para situações deste género.

Imagina a seguinte história:
Se és mulher, tens no teu inconsciente uma imagem ideal de um homem perfeito. Jung chamou a esta imagem, o teu Animus.

Este Animus, como é uma estrutura que faz parte do teu inconsciente, tem diversas características opostas/complementares às tuas. Esta estrutura existe precisamente para te informar acerca de algumas das características que tu precisas de desenvolver em ti para seres cada vez mais completa, mais integral.

Quando é que essa estrutura te informa disso? Quando te apaixonas por alguém.

Quando tu te apaixonas por alguém, tu estás, na verdade a projetar nessa pessoa o teu Animus, o teu homem ideal. E por isso, vais atrair homens que têm mais características semelhantes ao teu Animus, ou seja características opostas/complementares às tuas. Vamos supor que és altamente estável e organizada, vais atrair um homem que é potencialmente flexível e criativo.

Isso quer dizer que conscientemente tu podes querer um homem estável, confiável, estruturado, mas o teu inconsciente tem outros planos. O teu inconsciente tem uma missão: ajudar-te a ti a seres cada vez mais completa, cada vez mais integral, cada vez mais tudo.

Por isso, se tu és pouco flexível, pouco errática, pouco criativa, pouco variável, o teu inconsciente vai fazer tudo ao seu alcance para tu aprenderes a ser mais equilibrada e desenvolveres essas características diferentes das que já tens de sobra.

Então, o que é que o teu inconsciente vai fazer? Vai acender todas as campainhas de cada vez que aparecer outro homem instável. Vai fazer com que te deslumbres novamente pelo homem que é o oposto daquilo que tu achas que precisas.

Qual é a solução para me deixar de apaixonar por pessoas que não são aquilo que eu desejo para a minha vida?

Desenvolver em mim mesma, as características que me deslumbram/apaixonam por eles. No exemplo que aqui utilizei, terias de desenvolver em ti os atributos da flexibilidade, variedade, impulsividade, criatividade, liberdade.

Uma vez que os desenvolvas, possivelmente deixas de precisar de os projetar noutras pessoas, deixas de precisar que te ensinem atravéz da projeção a seres mais assim. Tu já o és. Logo tu já não precisas que outra pessoa o seja por ti.

Estás mais integral, mais consciente, mais lúcida. Logo a probabilidade de não seres possuída pelo inconsciente é maior. Tu consegues estar mais consciente dos processo que estão a acontecer contigo. Tu consegues estar em diálogo com as partes de ti que existem no teu inconsciente. Logo elas não vão ter de tomar conta das operações para terem espaço na tua vida. Tu dás-lhes esse espaço. Não és dominada por elas. Elas existem em relação contigo.

Por isso, se estás sistematicamente a escolher o homem/mulher “errado”, questiona-te:
– O que será que “ele” me quer ensinar?
– Quais são as características que ele tem que me fazem vibrar?
– Como posso desenvolver isso em mim?
– Como posso ser um bocadinho mais assim?

Tem um dia bonito, cheio de borboletas na barriga.

Jo 💙