Faças o que fizeres, vais ser criticado

Faças o que fizeres, vais ser criticado

As pessoas vão ler o que querem ler.
As pessoas vão ouvir o que querem ouvir.
As pessoas vão perceber o que querem perceber.
Ou melhor, vão ler, ouvir e perceber o que estão a PRECISAR de ler, ouvir e perceber.

Muitas vezes nada tem a ver com o que tu escreveste, disseste ou mencionaste. As pessoas vão perceber coisas que nunca te passaram pela cabeça quando tentaste passar a tua mensagem, mas isso é o processo delas. Tu não tens nada a ver com isso.

Quando eu escrevo, eu escrevo para mim, para a Joana e também para quem percebe a minha mensagem. Como me disseram há uns tempos, escrevo para um estádio cheio de Joanas. Ou seja, escrevo para mim e para as pessoas que retiram valor da minha mensagem.

Quando te começares a expor publicamente com os teus textos e vídeos, tens de esperar receber mensagens e comentários completamente ao lado. Mesmo ao lado. Tipo estás a falar de “alhos” e as pessoas comentam com “fotocopiadoras”. Escreves “A” e as pessoas lêem que tu escreveste “cogumelo” 🙂 Por isso, prepara-te.

E não sou só eu que o digo. A autora Elizabeth Gilbert no seu livro “Big Magic” escreve um grande excerto sobre como uma leitora certa vez lhe referiu que tinha lido no seu best seller “Eat, Pray, Love”, que a autora se tinha separado do seu marido pelos abusos que sofria dele. A autora nunca escreveu tal coisa. A leitora leu o que precisava de ler para se libertar dos abusos que sofria na sua própria vida.

O que vai acontecer é que vais ler as suas mensagem e comentários nos quais referem algo que acham que leram no teu texto ou ouviram no teu vídeo e vais perguntar-te: “Mas onde é que eu digo isso? É impossível, tendo em conta que eu nem acredito nisto que esta pessoa está a referir” E depois vais reler, ou ouvir novamente o vídeo e percebes que nem sequer usaste essas palavras uma única vez.

A sorte é que estas mensagens e comentários “ao lado” são habitualmente diferentes uns dos outros. Por isso, fica descansado porque se fossem todas iguais, aí sim, provavelmente teria sido algo na tua mensagem que não tinha sido bem transmitido. Acredito que quando muitas pessoas te dizem o mesmo, é possível que elas estejam certas. Mas felizmente, neste assunto, raramente é o caso.

O que é importante para mim transmitir-te hoje é que seria mais interessante para toda a gente se tu escrevesses a tua visão das coisas. Não a minha, não a de toda a gente, mas a tua. E sim, as opiniões são relativas e o significado das palavras depende do contexto. Mas as palavras que tu utilizas estão a ter o significado que tu lhes dás, não o meu, não o de mais ninguém. O teu significado, naquele momento. E num texto de 5 parágrafos e num vídeo de 12 minutos, não é possível falar de tudo, de todas as variáveis e de todos os significados de todas as palavras, sempre.

Por isso, se estás a falar dos direitos dos animais, não, não estás a desvalorizar o direito aos tratamentos de saúde que as crianças que têm cancro deveriam estar a receber e não estão. Tu provavelmente nem falaste nisso!!!!!! E isso, não quer dizer que esse tema não seja importante 🙂

Se estás a dizer que gostavas de ter 90 anos para teres mais certezas sobre a tua verdade, não, não estás a dizer que os idosos são sempre respeitados e bem tratados. Tu provavelmente nem falaste nisso!!!! Nem estás a dizer que “verdade” e “facto” são a mesma coisa. Uma coisa é a tua verdade, outra coisa são os factos. Por isso, é óbvio que a verdade é relativa 🙂

Se estás a dizer que uma coisa é boa, não estás a dizer que ela é boa sempre em todos os contextos. Estás a dizer que ela é boa para ti, nos contextos em que ela é boa para ti. Por isso, se as pessoas querem comentar o que escreves ou dizes com um “depende”, sugiro que a tua resposta seja: “Jura!?!?!?!!? Dhhhaaaaaaa!!! E já agora o céu é azul. Queres comentar com mais coisas óbvias ou preferes acrescentar alguma coisa de valor?” 🙂

Se fazes um juízo de valor sobre algo e isso ofende alguém, sugere a essa pessoa que primeiro leia e releia e efetivamente confirme se foi mesmo isso que tu disseste. Porque, como escrevi em cima, as pessoas vão ler e ouvir o que elas estão a precisar de ler e ouvir de acordo com os seus próprios processos. E depois de confirmares que fizeste MESMO esse juízo de valor … news flash!!!! És humano e fazes juízos de valor como TODA a gente?!!! Incluindo os teus leitores quando te mandam essas mensagem e comentários a julgar o que publicaste. Por isso, bem-vindo ao grupo dos humanos que fazem coisas feias, incompletas ou insuficientes. Pensavas que estavas excluído, mas não estás ?

Tu não sabes tudo, sempre e não consegues numa frase ter em conta todas as variáveis e contextos possíveis, sempre.

Por isso, se te puder dar um conselho de alguém que de pouco sabe, mas sabe muito sobre a sua verdade … escreve o que te apetece, diz o que te vai na alma e deixa os outros que não têm coragem de o fazer a salivar pelo sucesso que a tua genuinidade te está a trazer. Se não o sucesso na prática, pelo menos o sucesso da coerência.

Esse é o mais importante de todos ?

Boas publicações!!! ✔️
Jo ✏️